Donec tempus urna risus
maio 2, 2014

Formação Litúrgica: Cores e Objetos

As cores na Igreja
Quando vamos à igreja, notamos que o altar, o tabernáculo, o ambão, e até mesmo a estola e a casula usadas pelo sacerdote, combinam todos com uma mesma cor.

Percebemos também que, a cada semana, essa cor pode permanecer a mesma ou variar.
Se acontecer de no mesmo dia irmos a duas igrejas diferentes, comprovaremos que ambas usam a mesma cor, com exceção, é claro, da igreja que celebra o seu padroeiro.
Na verdade, a cor usada um certo dia é válida para a Igreja em todo o mundo, que obedece a um mesmo calendário litúrgico. Conforme a missa do dia, indicada pelo calendário, fica estabelecida uma determinada cor…

Desta forma, concluímos que as diferentes cores possuem algum significado para a Igreja: elas visam manifestar externamente o caráter dos Mistérios celebrados e também a consciência de uma vida cristã que progride com o desenrolar do Ano Litúrgico. Manifesta também, de maneira admirável, a unidade da Igreja. No início havia uma certa preferência pelo branco.
Não existiam ainda as chamadas cores litúrgicas. Estas só foram fixadas em Roma no século XII.
Em pouco tempo, devido ao seu alto valor teológico e explicativo, os cristãos do mundo inteiro aderiram a esse costume, que tomou assim, caráter universal. As cores litúrgicas são seis, como veremos a seguir.

Branco
– Usado na Páscoa, no Natal, nas Festas do Senhor, nas Festas de Nossa Senhora e dos Santos, exceto dos mártires. Simboliza alegria, ressurreição, vitória e pureza.Sempre é usado em missas festivas.

Vermelho – Lembra o fogo do Espírito Santo. Por isso é a cor de Pentecostes. Lembra também o sangue. É a cor dos mártires e da sexta-feira da Paixão e do Domingo de Ramos. Usado nas missas de crisma, em pentecostes e martirios.

Verde – Se usa nos domingos e dias da semana do Tempo Comum. Está ligado ao crescimento, à esperança.

Roxo
– Usado no Advento e na Quaresma. É símbolo da penitência e da serenidade. Também pode ser usado nas missas dos defuntos e na celebração da penitência.

Róseo – O rosa pode ser usado no 3º domingo do Advento (Gaudete) e 4º domingo da Quaresma (Laetare). Simboliza uma breve pausa, um certo alívio no rigor da penitência da Quaresma e na preparação do Advento.

Preto
– É sinal de tristeza e luto. Hoje está praticamente em desuso na liturgia.

Azul – Usa-se ou não na Solenidade da Imaculada Conceição; representa o manto azul de Nossa Senhora. Ainda não é usado por muitos padres! (Sua Santidade o Papa Bento XVI, usou recentemente em Mariazell, na Austria)


Objetos litúrgicos católicos

Alfaias: Designam todos os objetos utilizados no culto, como por exemplo, os paramentos litúrgicos.

Altar: Mesa onde se realiza a ceia Eucarística; ela representa o próprio Jesus na Liturgia.

Ambão: Estante onde é proclamada a palavra de Deus.

Âmbula: recipiente onde se guarda as hóstias.

Andor:
Suporte de madeira, enfeitado com flores. Utilizados para levar os santos nas procissões.

Asperges:
Utilizado para aspergir o povo com água-benta. Também conhecido pelos nomes de Aspergil ou Aspersório.

Bacia: Usada com o jarro para as purificações litúrgicas.

Báculo: Bastão utilizado pelos bispos. Significa que ele representa Cristo Pastor.

Batistério: O mesmo que pia batismal. É onde acontecem os batismos.

Bursa ou bolsa: Bolsa quadrangular para colocar o corporal.

Caldeirinha: Vasilha de água-benta.

Cálice: Taça onde se coloca o vinho que vai ser consagrado.

Campainha: Sininhos tocados pelo acólito no momento da consagração.

Castiçais: Suportes para as velas.

Cibório: recipiente onde se guarda as hóstias.

Círio Pascal: Uma vela grande onde se pode ler ALFA e ÔMEGA (Cristo: começo e fim) e o ano em curso. Tem grãos de incenso que representam as cinco chagas de Cristo. Usado na Vigília Pascal, durante o Tempo Pascal, e durante o ano nos batismos. Simboliza o Cristo, luz do mundo.

Colherinha: Usada para colocar a gota de água no vinho e para colocar o incenso no turíbulo.

Conopeu: Cortina colocada na frente do sacrário.

Corporal: Pano quadrangular de linho com uma cruz no centro; sobre ele é colocado o cálice, a patena e a âmbula para a consagração.

Credência: Mesinha ao lado do altar, utilizada para colocar os objetos do culto.

Crucifixo: Fica sobre o altar ou acima dele, lembra a Ceia do Senhor é inseparável do seu Sacrifício Redentor.

Cruz Peitoral: Crucifixo dos bispos.

Cruz Processional: Cruz com um cabo maior utilizada nas procissões.

Esculturas:
Existem nas Igrejas desde os primeiros séculos. Sua única finalidade litúrgica é ajudar a mergulhar nos mistérios da vida de Cristo. O mesmo se pode dizer com relação às pinturas.

Galhetas: Recipientes onde se coloca a água e o vinho para serem usados na Celebração Eucarística.

Genuflexório: Faz parte dos bancos da Igreja. Sua única finalidade é ajudar o povo na hora de ajoelhar-se.

Hóstia Grande: É utilizada pelo celebrante. É maior apenas por uma questão de prática. Para que todos possam vê-la na hora da elevação, após a consagração.

Hóstia:
Pão Eucarístico. A palavra significa “vítima que será sacrificada”.

Incenso: Resina de aroma suave. Produz uma fumaça que sobe aos céus, simbolizando as nossas preces e orações à Deus.

Jarro:
Usado durante a purificação.

Lamparina: É a lâmpada do Santíssimo.

Lecionários:
Livros que contém as leituras da Missa. Lecionário ferial (leituras da semana); lecionário santoral (leitura dos santos), lecionário dominical (leituras do Domingo).

Livros Litúrgicos: Todos os livros que auxiliam na liturgia: lecionário, missal, rituais, pontifical, gradual, antifonal.

Luneta:
Objeto em forma de meia-lua utilizado para fixar a hóstia grande dentro do ostensório.

Manustérgio:
Toalha usada para purificar as mãos antes, durante e depois do ato litúrgico.

Matraca: Instrumento do madeira que produz um barulho surdo. Substitui os sinos durante a semana santa.

Missal: Livro que contém o ritual da missa, menos as leituras.

Naveta: Objeto utilizado para se colocar o incenso, antes de queimá-lo no turíbulo.

Ostensório
ou Custódia: Objeto utilizado para expor o Santíssimo, ou para levá-lo em procissão.

Pala: Cobertura quadrangular para o cálice.

Patena: Prato onde é colocada a Hóstia Grande que será consagrada e apresentada aos fiéis. Acompanha o estilo do cálice, pois é complemento.

Piscina:
antigo nome da pia da sacristia.

Píxide: O mesmo que cibório.

Pratinho: Recipiente que sustenta as galhetas.

Purificatório: O mesmo que sanguinho.

Relicário: Onde são guardados as relíquias dos santos.

Sacrário:
Caixa onde é guardada a Eucaristia após a celebração. Também é conhecida como TABERNÁCULO.

Sanguíneo: Pequeno pano utilizado para o celebrante enxugar a boca, os dedos e o interior do cálice, após a consagração.

Santa Reserva: Eucaristia guardada no Sacrário.

Sédia: Cadeira no centro do presbitério, usada pelo celebrante, que manifesta a função de presidir o culto.

Tabernáculo: O mesmo que Sacrário.

Teca: Pequeno recipiente onde se leva a comunhão para pessoas impossibilitadas de ir a missa.

Turíbulo: Recipiente de metal usado para queimar o incenso.

Véu Do Cálice: Pano utilizado para cobrir o cálice.

Véu Do Cibório: Capinha de seda branca que cobre a âmbula. É sinal de respeito para com a Eucaristia.